Cascata

Cascata
Precisamos que fervilhem as ideias, conjugando-se para um desígnio e abrindo percursos na discussão.

sábado, 17 de Abril de 2010

INTERVENÇÃO CONGRESSO MAFRA


RUMO À SOCIAL-DEMOCRACIA!  XXXII Congresso, Março 2010

Olhando para o resultado da nossa acção política, verificamos uma sociedade cada vez mais injusta e conflituosa. O Poder económico promove líderes políticos, para depois os atacar, como forma de reforçar a ditadura económica.
Temos líderes fracos, despersonalizados e mal preparados, alvos fáceis da manipulação das negociatas. Tudo é marketing!
Assim, o Estado é enfraquecido e torna-se impotente para travar a espiral de excessos capitalistas.
As petrolíferas, os bancos, as seguradoras, e todas as empresas jogadoras no casino da bolsa, deixaram de respeitar o cliente e castigam-nos com os preços exorbitantes, para poderem orgulhar-se do que roubam, e que entregam aos accionistas!
O Estado juntou-se às negociatas, e deixou de viver para os contribuintes, entregando as colectas roubadas, aos construtores de pirâmides. As núpcias avançam nas parcerias público-privadas e o casamento é a privatização gradual do Estado.
Como isto tudo agrada aos gananciosos, aos egoístas e aos anti-sociais, apenas apostados no seu sucesso, como é habitual em muitos políticos, por falta de bom carácter!
Se os políticos não têm maior consciência social, os excessos de direita cavalgam à solta!
Alguém, no passado, lembrou-se de apostar no liberalismo económico, sem democratizar as piores mentalidades burguesas. Tem sido sempre assim em várias matérias; a precipitação de colocar o carro à frente dos bois. Este PSD promete ao povo a social-democracia e está sempre aliado ao interesse particular económico.
Internamente, temos caído na moda dos erros, criando-se uma monarquia de sucessões preparadas, representada por tecnocratas, que ignoram as dificuldades do povo, não entendem a realidade do sistema por trás das corporações, mas sabem que já nada importa, porque o directório europeu é que manda!
Não conseguimos praticar sequer a democracia interna e criou-se aversão ao socialismo democrático, apesar de se jurar o interclassismo humanista e a justiça social, para se manter a coesão social. Damo-nos sempre com os líderes, a falar do preço do caviar, quando o povo já não sabe se terá sardinha!
Perdida a esperança na boa intenção política, o povo descobriu que não pode queixar-se a ninguém, porque o Poder judicial comunga com o interesse político-económico dos amigos! A justiça perdeu a venda!
A Lei vai sendo feita à medida dos interesses ocultos, pelo que o Poder do Estado exerce-se sempre a favor dos pedidos dos amigos! Governar tem sido decidir em pagamento de favores, confundindo-se o interesse público com o privado.
Só o povo não sabe como participar e exigir respeito pelo Bem comum. Vive-se em estado de tensão social explosiva e a violência alastra!
Todos os nossos problemas sociais resultam da falta de democracia, da falta de justiça social e do excesso de egoísmo, presentes na mentalidade de todos. Como é que cada um serve o seu semelhante, nos seus locais de trabalho?
O povo quer a social-democracia, mas o PSD não tem sabido o que ela representa!
O PPD conquistou uma vez o povo, porque procurou o equilíbrio, lutando contra os excessos de esquerda. Tornou-se Poder e chamou o interesse dos oportunistas, apenas preocupados com as suas carreiras e necessidades financeiras. O Partido aburguesou-se.
O PSD está encostado à direita e divorciado do povo social-democrata. Só voltará a conquistar a confiança dos portugueses, quando decidir lutar contra os excessos de direita, regressando ao equilíbrio, e começando por sair da política dos restaurantes e da TVcabo!
Não tenho visto nenhuma intenção de fazê-lo; quer-se apenas encontrar desesperadamente uma cara, que garanta vitórias eleitorais e o Poder de dominar o Estado!
Os que se julgam poderosos são pigmeus, por não terem entendido ainda a dimensão do papel da humanidade no destino do universo! O que pode ser bom para o Partido, pode não ser nada para Portugal; compete agora aos militantes escolher um novo líder, que transpire a social-democracia no discurso e na sua vida.
O povo terá sempre a última palavra, nem que tenha de romper com esta paz podre, contra a falta de honra, contra a falta de seriedade, contra a corrupção, contra a ditadura económica e contra os que vivem apenas para si, em prejuízo dos outros!
Eu, e o povo a que pertenço, queremos a social-democracia, pelo direito de todos à felicidade e a uma vida de dever à sociedade!
É preciso mudar as mentalidades primitivas da competição animal; é preciso romper com as injustiças e vícios de Poder, e é preciso unir em torno dos princípios social-democratas de coesão social, para que todos tenham a recompensa do seu valor e a justa retribuição pelo seu esforço relativo de trabalho social!
Pelo futuro prometido de Portugal, viva a social-democracia!

4 comentários:

José Pires disse...

IMAGINEM...

http://josepiresapresidencia.blogspot.com

Um abraço LIVRE de UM HOMEM LIVRE !

José Pires

Biranta disse...

Olá José Barros!
Uma amiga enviou-me o link e eu andei a bisbilhotar o grupo "um milhão na Av. da Liberdade" e você foi dos que me pareceram mais sensatos e equilibrados...
Vim até aqui e... desilusão: PSD? Não, nem qualquer outro partido. Tal como a sociedade política (de cuja você faz um retrato muito realista - apenas se esqueceu da alta criminalidade) também os partidos estão minados e controlados pelo pior tipo de gente que há...

No entanto desejo-lhe boa sorte!

J. M. Macedo de Barros disse...

Olá Biranta!
Estou plenamente de acordo consigo; mas não se desiluda dos ideais genuinos dos Partidos, que eu quero ver afirmados!
Claro que a pior espécie de pessoas se apoderou dos Partidos de Poder; os gananciosos anti-sociais só querem o seu sucesso e a política tornou-se numa via de ouro para os oportunistas!
Afinal, quem não gosta de ser rico e perseguir o sonho de grandeza individual? Uma grande parte está disposta a tudo, sobretudo se for da forma mais fácil...!
Compete aos lutadores desalojá-los e expô-los, nem que se tenha de prejudicar o resultado eleitoral do Partido, para que se regenere. A palavra final compete a quem vota, e que deve fazê-lo de forma inteligente, sem tabus!

Póvoa de Lanhoso a contrariar ou no seu melhor! disse...

Bom dia. Boa tarde. Boa noite. Consuante o dia, o local e a hora onde se encontram os nossos leitores!

Momento de reflecção.

Agradecimento:
Antes de mais quero agradecer aos Ex. mos Srs José Macedo de Barros, Efigênia Coutinho, Jorge Campos e Ana Sofia Pinto, pelo vosso empanho neste blogue cultural internacional.

Apupos:
Veem cá visitantes mal-direccionados, que aqui vem deixar comentários destrutivos que, muitas das vezes tenho de apagar!

Recapitulando:

- Comenta no sentido, que, o sentido te dita! És livre, livre de voar como passarinhos ao vento. Comenta, vais ver que, te cultivas. As tuas opiniões não são válidas se as não puseres em prática. Comenta no bom sentido!

Sondagens:
- Um blogue renovado, de discussão, diálogo, e divertimento, só escreve nele quem quer e, só lê nele quem tiver curiosidade. Caso contrário não aceda a este espaço.

Prodência:
- Todos e quaisquer textos aqui publicados, são de inteira responsabilidade dos intervenientes. Porém, podem, salvo seja, alguns desses textos serem apagados, isto no caso de eles serem de atentado ao pudor ou mal direccionados. Espero não o fazer, mas, no entanto quero reflectir que é um blogue livre e expressamente democrático na constituição da república, livre nas expressões e ideias, espero que o tratem bem…

Internacional:
- Este blogue é um blogue da Póvoa de Lanhoso como o titulo indica, mas será um blogue nacional e internacional, uma vez que os blogues e, quem anda neles chegam a todo o lado e a todo o mundo, por isso sejam cuidadosos, uma vez que toda a gente lê o que escreve.

Gratidão:
Número total de visualizações de página, já atingiu 12,958 leitores até à presente data. Obrigados.

O escritor aprende, ensina e aprende convosco...

P/F divulguem este espaço Cultural.

Quelhas, escritor das Comunidades portuguesas na Suíça